Buscar

A Saúde Mental em meio à pandemia

Atualizado: Mar 20

No final de fevereiro de 2020 foi quando aconteceu o primeiro caso de covid-19 no Brasil. Desde então uma série de mudanças aconteceram na vida de todos e uma epidemia, que é oculta e silenciosa como o vírus, se agrava em meio à pandemia: a saúde mental.


Mesmo antes da chegada do coronavírus, a saúde mental da população brasileira já se mostrava fragilizada. Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil lidera a posição mundial das pessoas que sofrem com ansiedade, ao todo são 18 milhões. Isso equivale a 9,3% dos brasileiros.


O distanciamento social, o medo da doença, o luto coletivo, o caos sanitário, a insegurança do desemprego, a crise econômica, o home office forçado e outras mudanças bruscas no estilo de vida e trabalho são fatores que afetaram a saúde mental das pessoas.


A nível mundial, uma pesquisa publicada na revista Psychiatry Research mostra que 24% das pessoas sofrem com insônia na pandemia, 22% apresentaram transtorno por estresse pós-traumático, enquanto a depressão alcançou o marco de 16% e a ansiedade 15%. Comparado aos dados anteriormente divulgados pela OMS, o transtorno por estresse pós-traumático cresceu cinco vezes desde a chegada do coronavírus, a ansiedade aumentou quatro vezes e a depressão três.


A saúde mental carece de mais cuidado do que nunca e deveria ser prioridade para governantes e instituições. Porém, a pandemia trouxe problemas para o sistema de saúde global. Conforme um relatório publicado pela OMS em outubro, a covid-19 perturbou ou paralisou os serviços essenciais de saúde mental em 93% dos países do mundo.



Confira 6 dicas da OMS para ajudar a saúde mental na pandemia


1. Deixe de lado os preconceitos


Não existe nenhuma relação da doença com uma etnia ou nacionalidade. Demonstre empatia com todos os afetados em qualquer país. As pessoas infectadas não fizeram nada errado e merecem nosso apoio, compaixão e gentileza.


2. Pessoas não são números


Não se refira às pessoas com a doença como “casos de covid-19” ou “vítimas”, “famílias de covid-19”, “adoentados” etc. Eles são “pessoas com covid-19 ou que estão em tratamento, ou se recuperando” e depois de recuperados continuarão sua vida normal em família, no trabalho e com seus entes queridos. É importante separar a pessoa e a sua identidade do vírus em si para reduzir o estigma.

3. Evite o excesso de informações


Reduza a leitura ou o contato com notícias que podem causar ansiedade ou estresse. Busque informação apenas de fontes fidedignas e dê passos práticos para preparar seus planos, proteger-se e a sua família. Procure informações e atualizações uma ou duas vezes ao dia evitando o “bombardeio desnecessário” de informações. A enxurrada de notícias sobre um surto pode levar qualquer pessoa à preocupação. Informe-se com os fatos e não os boatos ou as informações erradas. E busque essas notícias em intervalos regulares do website da Organização Mundial da Saúde, das autoridades locais para que possa fazer a diferença entre boato e fato. Os fatos ajudam a minimizar o medo.


4. Pratique a solidariedade e a cidadania


Projeta a si próprio e apoie os outros ajudando-os em seus momentos de necessidade. A assistência a outros em seu momento de carência pode ajudar a quem recebe o apoio como a quem dá o auxílio. Um exemplo: telefone para seus vizinhos ou pessoas em sua comunidade que precisam de assistência extra. Atuando juntos como uma comunidade pode ajudar a criar solidariedade e a enfrentar o covid-19 em união.


5. Compartilhe histórias positivas


Crie oportunidades para ampliar histórias positivas e úteis e imagens positivas de pessoas na sua área que tiveram o covid-19. Por exemplo, experiências de pessoas que se recuperaram da doença ou que apoiaram um ente querido e estão dispostas a contar como foi.

6. Reconheça os esforços dos profissionais da saúde


Homenageie e aprecie o trabalho dos cuidadores e dos agentes de saúde que estão apoiando os afetados pelo novo coronavírus em sua região. Reconheça o papel deles para salvar vidas e manter todos seguros.



Saúde mental nas empresas

A pandemia impactou todos os setores da vida das pessoas e alterou as relações de trabalho. O novo cenário trouxe uma série de preocupações, como o medo de pegar a doença, o receio de perder pessoas queridas, do desemprego e muitas outras inquietações. E tudo isso reflete nas empresas, pois o bem-estar do colaborador é essencial para a produtividade.


No trabalho presencial, o colaborador precisou adaptar sua rotina e se acostumar com uma série de mudanças, como o uso de máscara, manter o distanciamento entre as pessoas e o cuidado da higienização constante das mãos.


Enquanto quem está no home office teve que aprender a gerenciar seu tempo, encontrar meios de não se sentir tão sozinho e lidar com a invasão do trabalho no seu espaço pessoal. Não importa o cenário - em casa ou na empresa - as rotinas e as relações sociais foram alteradas e a saúde mental dos colaboradores precisa ser colocada em observação.

Porém, não é possível falar em saúde mental na pandemia sem falar de individualidade. Os colaboradores têm emoções diferentes e reagem de formas distintas a cada situação. As empresas precisam estar atentas para identificar quem são as pessoas em maior vulnerabilidade psicossocial.


Algumas ações práticas que as organizações podem tomar para promover a saúde mental em meio à pandemia: a) não ignore o problema, converse com seus colaboradores e leve informações sobre a covid-19 e saúde mental; b) tenha um espaço de escuta em que os colaboradores possam expor seus medos; c) invista em um plano de proteção psicossocial, somente um profissional especializado em saúde mental conseguirá fazer o mapeamento correto dos seus colaboradores, prestar tratamento para quem necessita e montar estratégias de prevenção.



Conheça a Aego


Se você deseja melhorar a qualidade de vida e a saúde mental dos seus colaboradores, fale conosco. A Aego é uma empresa de consultoria em saúde mental que tem como missão oferecer recursos para a promoção do bem-estar das pessoas nas empresas, criando condições para torná-las mais saudáveis, funcionais e produtivas.


Uma pesquisa da Organização Mundial da Saúde afirma que, para cada US$ 1 investido em ações que promovem melhorias na saúde e bem-estar mental dos colaboradores, US$ 4 são percebidos em ganhos com o aumento da produtividade. Ficou interessado? Entre em contato com a Aego.